• Ademilson Nascimento

Solução em mobilização, sinalização, lombadas, acesso em calçadas e Guias/Sarjetas vias públicas.


Calçadas e guias e sarjetas padrão prefeitura.

Nosso foco é melhorar a locomoção dos pedestres nas grandes e pequenas cidades, elaboramos calçadas com sarjetas e guias rebaixadas, acessibilidade para pessoas com deficiência física.

Melhorando não só a estética mais também a mobilização com segurança e qualidade, seguindo o padrão conforme as normas da Prefeitura local.

Pinturas de faixas em condomínios e estacionamento.

A Asfaltek Pavimentadora e especializada na venda, implantação e prestação de serviços de sinalização viária horizontal e vertical, conforme normas DER, CET, etc. A empresa oferece a implantação de sinalização a Condomínios, Hipermercados, Supermercados, Prefeituras e outros estabelecimentos que necessitam de sinalização viária. Nosso diferencial é ser uma empresa da região, o que possibilita um preço mais acessível, pois não existe a necessidade de grandes deslocamentos. Solicite uma visita de um de nossos consultores e conheça nossa linha de produtos.


Pintura a quente “Hot Sprey” para faixas centrais e bordas nas linhas continuas e segmentos.

Pintura aplicada por extrusão para faixas de pedestres e pictogramas de sentido obrigatório.

Pictogramas Multicolor de sinalização Horizontal de velocidade 20 Km/H X 1,20 metros.

Dispositivos de tachão Bidirecional 25x15 cm fornecimento e aplicação e retirada dos já existentes.

Dispositivos de tachão Bidirecional 10x7 cm fornecimento e aplicação e retirada dos já existentes.


Lombadas interna ou lombofaixas em grandes condomínio e na entrada do condomínio Vagas de estacionamento.



* Você já deve ter visto uma delas por aí. Afinal, elas são cada vez mais comuns e já estão presentes em muitas cidades. As travessias elevadas, faixas elevadas ou “lombofaixas” vieram para ficar!


Já são muitas as cidades brasileiras que vêm adotando as faixas elevadas como item de segurança pelas ruas. Aliás, essa ideia já é utilizada em países como Inglaterra e Alemanha. Você já viu um a delas? Sabe para que servem?

O objetivo deste equipamento, que nada mais é do que uma faixa de pedestres acima do nível da rua, é fazer com que os motoristas dê em prioridade aos pedestres.

Não é à toa que elas se assemelham a lombadas, pois a função é a mesma. Elas também oferecem, além da sinalização, um fator físico para a redução da velocidade.

Sendo assim, é muito comum que elas sejam instaladas na frente de escolas. Assim elas promovem uma maior segurança para os alunos que precisam fazer a travessia da via.

Inclusive, a ideia é que ela estejam alinhadas com a altura das calçadas, funcionando quase que como uma extensão delas.

Os departamentos de trânsito tem optado por esta medida baseando-se em três fatores principais:

  • A melhoria das condições de mobilidade, acessibilidade e segurança dos pedestres nas vias públicas, uma tendência que se consolida;

  • A ampliação da visibilidade dos pedestres durante a travessia, por estarem em um plano mais elevado;

  • A manutenção da velocidade segura dos automóveis na via em qualquer circunstância, mesmo sem a presença de pedestres.

Note, porém, que o fator “lombada” é o menos importante dos três. As faixas elevadas dizem muito mais respeito à segurança dos pedestres do que dos motoristas, ainda que estes também sejam beneficiados pela adoção da medida.


Como a lei regulamenta as faixas elevadas:

A Resolução n. 738/2018, publicada em 10 de setembro de 2018 pelo Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) revogou a Resolução n. 495/2014 e estabeleceu os novos padrões e critérios para a instalação da travessia elevada para pedestres em vias públicas.

Em seu artigo 8º, a resolução estabeleceu um prazo, vencido em junho de 2019, para que os órgãos de trânsito se adequassem às disposições.

As principais mudanças nas regras para as faixas elevadas, que também disseminaram o seu uso pelo país, são as seguintes:

  • A velocidade máxima permitida antes da travessia passou a ser de 30 km/h e não mais de 40 km/h (artigo 6º, I);

  • A faixa elevada não deve ser utilizada como dispositivo isolado, mas em conjunto com outras medidas que possibilitem velocidade segura, como controle por equipamentos, alterações geométricas, diminuição da largura da via, trajetória sinuosa etc. (artigo 3º);

  • A demarcação em forma de triângulo sobre o piso da rampa de acesso passou a ser de cor branca, em vez de amarela (artigo 6º, III);

  • Além dos sinais de advertência também há a necessidade de implantar placas de “saliência ou lombada” antecedendo o dispositivo e junto a ele.

A Resolução também delimita o uso do dispositivo, vetando sua construção nos seguintes casos:

  • em via rural, exceto quando apresentar características de via urbana;

  • em via arterial, exceto quando justificado por estudos de engenharia;

  • em via com faixa ou pista exclusiva para ônibus;

  • em trecho de pista com mais de duas faixas de circulação, exceto em locais justificados por estudos de engenharia;

  • em obra de arte (passagem subterrânea e passarela) e nos 25 metros anteriores e posteriores a estas;

  • defronte a guia rebaixada para entrada e saída de veículos;

  • em esquinas a menos de 12m do alinhamento do bordo da via transversal.

6 visualizações

Copyright © 2020 - Todos os direitos reservados. Criado por Central de Serviços

  • e-mail
  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
  • WhatsApp